domingo, 28 de fevereiro de 2010

Perseguição


Sem poder sair de casa, depois das aulas, por causa da chuva e do vento, a Criança e os seus irmãos jogavam consola, viam televisão e liam. O que menos gostava de ler, era o irmão mais novo de Criança. A irmã mais velha lia bastante e a Criança lia ainda mais. Era essa a forma de entrar em Fantasia.
Preparava-se para ler a História Breve da Lua, de António Gedeão, uma peça de teatro que seria apresentada na escola, na Semana da Cultura Cientíca, quando o seu amuleto, que trazia ao pescoço, se iluminou. Era uma pequena medalha, em madrepérola que representava duas imagens, uma feminina e outra masculina, entrelaçadas. Recebera o amuleto das mãos de uma bela Princesa, em troca de a Criança lhe ter salvado a vida há alguns anos atrás. Assim, também a Criança estaria sempre, sempre protegida.
Ora, sempre que este se iluminava, isso queria dizer que algo de estranho se passava em Fantasia. Chamou por Minedu, o dragão de penas, que logo apareceu à janela do seu quarto. A Criança abriu a janela e saltou-lhe para o dorso. Depressa se afastaram, num voo rápido.
O amuleto continuava a brilhar e quando parou, Minedu desceu para o local que o fizera apagar. Ficaram surpreendidos com o que viram. Era a jovem, com o seu vestido em forma de lua, que entrava na peça de António Gedeão, que ali estava. Estava descabelada, enlameada e chorava. Quando se acalmou, contou à Criança e a Minedu que no momento em que regressava a casa depois dos ensaios, sentiu algo ou alguém que a perseguia. Primeiro, começou por andar mais depressa. Logo a seguir, correu e correu e corre e caiu. Os passos estavam cada vez mais perto. Sentia-se à mercê do que quer que fosse. Só esperava que fosse rápido. Pediu mentalmente socorro. Entretanto, quando já se julgava perdida, a Criança e Minedu chegaram e salvaram-na.
A Criança perguntou-lhe se por acaso chegara a ver quem a perseguia. Ela disse que não. Não conseguira ver nada com o medo que sentiu. Depois agradeceu por a terem salvo.
A Criança disse à jovem que a levava a casa . Subiram as duas para o dorso de Minedu, que se elevou nos céus de forma elegante e suave.
Depois de deixarem a jovem em casa, a Criança e Minedu comentaram aquele incidente. Era o segundo acontecimento estranho que acontecia em Fantasia. Mais um mistério para resolver...

3 comentários:

  1. Meu Deus tantos mistérios por resolver.
    Continuo aqui muito curiosa.
    Bjocas
    Patty

    ResponderEliminar
  2. Estou a ficar cada vez mais em pulgas para conhecer esta história.

    ResponderEliminar